segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Lugar de ninguém




Ecos de silêncio,
ensurdeço escondida nas sombras,
enquanto me cubro de nada
e amarro o olhar à distância que me imponho...

8 comentários:

Miltextos disse...

Uma nudez declarada, decantada em verso que bem poderia ser prosa: "enquanto me cubro de nada...". Tudo poesia.

Canto da Boca disse...

Às vezes o silencio é tão barulhento que retumbaa além dos vales, montanhas e sentimentos vastos que nos compõem.
Mas escreves lindamente, menina. Sinto na carne a sua poesia viva.

Um beijo!

;)

Brisa disse...

Amarrar o olhar á distancia e no eco do nada,
Solta-se esta linda poesia

BJ.

Phoenix disse...

Mil textos: acho que não posso dizer mais do que obrigada..cada comentário que escreves quase que parece uma "poesia" :P

Canto da boca: Sim, o silêncio sabe muitas vezes encher os nossos ouvidos mais do que qualquer palavra...obrigada querida, beijinho*

Brisa: =), beijinho *

m * disse...

obrigada pelo que me disseste querida . acredita que ajudou . enfim , como disseste , o passo mais dificil já tomei (:

Obrigada , outra vez . Beijinho *

Pedro Miguel disse...

Espectacular a ultima parte. :D

Pedro Miguel disse...

Eu queria que ele fosse intenso. :D

Pedro Miguel disse...

E o final do texto parte tudo. :D
Até me odeio de tão bem escrever. xD